Prós e contras de ser Au Pair

1
522

 

Oiiii Gente!!!

Hoje eu quero dividir com vocês a história da Mari Proença, porque eu acho que pode inspirar muita gente a sair da zona de conforto quanto falamos em seguir os nossos sonhos, não importa o quão grande e distante eles possam parecer.

Com dedicação e perseverança a gente consegue tudo que a gente quer, afinal, se você consegue sonhar, você consegue realizar!

Esse post será em forma de entrevista (mais uma vez), porque tem várias curiosidades sobre a vida de Au Pair (babá) que eu sempre quis saber e acho que muita gente também tem esses mesmos questionamentos. Inclusive eu já tinha pensado em ser Au Pair pra viajar pros EUA, mas a vida acabou me trazendo pra Inglaterra (acabei até sendo babá por aqui por 3 semanas, mas nada oficial – eu não tinha contrato. Foi mais um acordo entre partes que ficou um pouco confuso no meio do caminho hahahahahaha).

>>>>>

Quem é a Mari Proença (nossa entrevistada)?

Eu conheci a Mari através de um seguidor meu e desde então passamos a conversar e trocar figurinhas dessa vida de viagens. Um dia ela me contou que tava na Austrália sendo au pair de novo (ela já tinha sido au pair nos EUA) e que curtia esse estilo de vida livre e a possibilidade de aprender mais sobre a cultura dos lugares vivendo com os locais.

A Mari é brasileira e tem 33 anos. Ela nasceu e cresceu nos bairros periféricos de São Paulo e hoje ela viaja o mundo com o dinheiro que ganha sendo babá.

Vamos à entrevista!

1-Quando, como e por quê você decidiu ser au pair? Quantos anos você tinha?

Em 2008, eu tinha 23 anos, fiz inscrição e embarquei em Janeiro de 2009. Desde de adolescente meu sonho sempre foi morar fora, mas meus pais não podiam pagar. Descobri o programa de au pair quando tinha uns 19 anos e fiquei super empolgada pois era algo que eu mesma poderia pagar com meu salário de operadora de telemarketing então decidi que quando eu me formasse na faculdade eu embarcaria.

 

2-Por escolheu os EUA? Você chegou a procurar outros programas de au pair pelo mundo? E por que depois escolheu a Austrália?

Na época o programa de au pair para os Estados Unidos era o mais popular entre as agências de intercâmbio, e por mim, eu não tinha uma preferência, só queria ir pra um país de língua inglesa para praticar o inglês. Depois de muitos anos, que vim ser au pair novamente, escolhi a Austrália pelo clima, porque tenho uma grande amiga que mora em Sydney e também porque o visto que eu peguei – de estudante – me permitia trabalhar.

 

3- Quais são os benefícios do programa de au pair nos EUA que não tem nos outros países?

O programa de au pair é bem similar em todos os países, nos Estados Unidos tem um visto específico para ser au pair, o que é ótimo porque você pode ficar com esse visto no país por até 2 anos. Na Austrália, por exemplo, esse visto já não existe. Quanto a outros países não sei te dizer.

 

4- Quais são os pré-requisitos pra participar do programa de au pair?

Nos Estados Unidos
Ter entre 18 a 26 anos
Possuir habilitação
Ter experiência com crianças
Ter inglês intermediário

Na Austrália vai depender. Se você arrumar uma família por conta própria – que foi meu caso, não tem limite de idade, quem vai escolher é a família. Mas, existem agências na Austrália que limitam a idade de 30 anos (geralmente).

 

5- Qual a documentação necessária?

Nossa, são muitos documentos, mas para os Estados Unidos eu não vou lembrar, faz muito tempo que eu fui e já deve ter até mudado algumas das documentações. Para a Austrália eu fui com o visto de estudante então a documentação geralmente é:
Passaporte
RG
Formulário da imigração
Contrato da escola assinado
Contrato do despachante assinado
Contrato da agência assinado
Declaração do imposto de renda seu e só seu suporte financeiro
COE – documento que a escola emite depois q você quita o curso

 

6- Quantos reais você juntou pra ir tanto pros EUA quanto pra Austrália? E quanto recomenda as pessoas juntarem?

Pros Estados Unidos eu paguei muito barato no programa, foi R$ 500 reais, fora os gastos com o visto. Não me lembro quanto eu levei, mas foi pouco, coisa de USD$ 500 dólares. Paguei muita coisa parcelada para ir para a Austrália, mas somando tudo, em torno de uns R$ 35 mil reais que precisei juntar.

7- Como funciona o programa? Me conta tudo desde quando você decidiu ir, entrevistas, perfil no site, como achou a família até o dia que você de fato chegou nos EUA!

Eu fiz a inscrição na agência STB logo depois que me decepcionei com um ex namorado, eu já havia me formado na faculdade e não tinha mais porque adiar o meu sonho de morar fora. O próximo passo é entregar toda a documentação, além dos documentos normais como passaporte, RG etc, você precisa preencher muitos formulários e montar um dossiê sobre você e sua experiência com crianças.

Assim que você entrega tudo pra agência, eles colocam seu perfil online disponível para as famílias, dessa forma as famílias que se interessarem pelo seu perfil entra em contato para uma entrevista – que na minha época foi por telefone. No meu caso, eu já havia encontrado uma família na Virgínia por um site americano (https://www.aupairworld.com/en), trocamos alguns e-mails, eu fiz um vídeo de mim mesma e mandei para eles, eles amaram, então eles entraram em contato com a mesma agência que eu estava inscrita para poder fazer o match comigo.

Quando eu cheguei, eles foram muito legais comigo, me lembro claramente do meu host me recebendo com um brinquedo que era um par de olhos que você encaixava na mão para parecer um boneco. Ele me mostrou aquilo e fez uma voz engraçada, eu ri e pensei “nossa os americanos são mesmo abobalhados”. Na primeira semana que eu estava lá aconteceu a posse do presidente Obama em seu primeiro turno, a família me levou pra ver e foi emocionante, nunca esqueço daquele dia quando eu andava pelas ruas de Washington, DC e pensava “meu Deus isso não é mais só um sonho, eu tô mesmo nos Estados Unidos”.

 

8- Você contratou agência ou fez por conta própria?

Para os Estados Unidos eu fui com a agência STB (https://www.stb.com.br/). Para a Austrália eu tirei o visto de estudante com a agência Information Planet (http://informationplanet.com.br/), mas o emprego de au pair eu arrumei por conta própria.

 

9- Quais são os prós e contras de ser au pair?

Os prós, com certeza, são: não ter que se preocupar em pagar aluguel, fazer compras e pagar contas de luz, água, internet etc. Nos Estados Unidos, a família disponibilizava um carro pro meu uso particular e ainda pagava minha conta de telefone.

Os contras são: você está ali na casa convivendo com a família 24h por dia, então nas suas horas vagas, pode acontecer das crianças te importunarem e também a maioria das famílias querem que você socialize com eles e faça parte da família, então essa de socializar pode ser confundido e a au pair acaba trabalhando mais que o permitido.

 

10- Quanto tempo demora até todo processo acontecer e você de fato ir?

No meu caso demorou 6 meses. Eu fiz inscrição em julho, entreguei os documentos e o dossiê em Setembro e já fiquei online para as famílias, em Outubro eu já fiz o match, mas tudo depende do perfil da au pair.

Au pairs que têm muita experiência com crianças ou são professoras ou formadas em pedagogia, tem mais famílias que se interessam, portanto acabam fazendo o match mais rápido.

 

11- O que sua família e seus amigos acharam da ideia de você ser au pair?

Alguns achavam que eu era corajosa, outros achavam que eu era louca, mas todos me apoiaram. No começo a minha mãe não gostava muito da ideia, porque tinha aquele pensamento quadrado de que eu era formada, poderia arrumar um emprego legal em São Paulo e ia ir embora para trabalhar de mão de obra barata, mas ela acabou se convencendo e abriu a mente.

 

12- Quantos tempo durou seu primeiro programa de au pair?

2 anos

 

13- Você precisa obrigatoriamente estudar no país de destino pra ser au pair ou pode só trabalhar?

Sim. Nos Estados Unidos você precisa estudar, mas não todo o período que você está lá. Na Austrália eu preciso sempre estar estudando pois meu visto é de estudante e para mantê-lo, obrigatoriamente eu preciso estar matriculada em uma escola.

 

14- Quem arca com as despesas do curso? Tem que sair com o curso fechado já do Brasil?

Nos Estados Unidos, a família que paga seu curso, claro que tem um limite de preço, na minha época tinha que ser um curso de até USD$500 e você escolhia onde queria estudar depois que chegasse lá. Já na Austrália, tem que sair do Brasil já com o curso definido e pago, por causa do visto de estudante.

“Esteja preparado(a) e seja flexível porque como diz a música que a minha sobrinha gosta do Palavra Cantada “criança não trabalha, criança dá trabalho”.

 

15- Dá pra fazer dinheiro sendo au pair? Qual a média salarial e os benefícios da profissão?

O salário de au pair nos Estados Unidos, na minha época era um pouquinho menos que USD$200 por semana, não tenho certeza mas acho que está a mesma coisa hoje em dia. Na Austrália, o salário varia entre $180 a $350 dólares por semana.

 

16- Você consegue viajar muito com o dinheiro que faz como au pair?

Só dá pra viajar se você for muito econômica, conseguir juntar dinheiro e não se empolgar nas compras e baladinhas. Eu fazia muito babysitting extra (fora do horário que você trabalha normalmente, se os pais precisam sair à noite, final de semana, etc. Daí eles pagam por fora) e também eu sou muito boa pra guardar dinheiro (Ps: mas nos Estados Unidos só é permitido fazer extra pra família que você trabalha).

 

17- Homem pode se inscrever no programa de au pair?

Os Estados Unidos aceitam homens sim. Tem alguns países que não aceitam, não sei bem ao certo quais.

 

18- E se você não gostar da família? Tem como trocar?

Sim. Se você for através de uma agência, pode pedir rematch, daí a agência vai tentar achar outra família pra você.

 

19- O programa de au pair é seguro? Conhece alguém que não deu muita sorte sendo au pair (agressão, estupro)?

Eu acho super seguro. Conheço meninas que não se deram bem com a família, mas nenhum dos casos foi algo grave a ponto de delas se sentirem inseguras, ameaçadas etc.

 

20- Me conta como era a sua rotina nos Estados Unidos e como é na Austrália?

Nos Estados Unidos eu começava às 6:30 da manhã, dava café da manhã pros 2 meninos, levava o maior no ponto do ônibus para ele ir pra escola. Eu ficava o dia todo com o menino pequeno, dava almoço, levava pro parque, pra biblioteca, shopping etc, e no final da tarde eu esperava o menino mais velho voltar da escola, e logo em seguida a mãe deles chegava e eu ficava off. Eu também mantinha os brinquedos arrumados e a cozinha limpa.

Na Austrália é bem parecido, a diferença é que eu levo a menina até a escola e no final da tarde dou janta e banho.

 

21- Você viaja muito com a família?

Com a família dos Estados Unidos eu viajei uma vez só. Eles me convidaram e nós fomos para a Disney e eles pagaram tudo e eu não trabalhei.

 

22- Você já enfrentou algum preconceito no Brasil, na Austrália ou nos EUA por ser au pair?

Uma vez, nos Estados Unidos, teve um cara que eu e umas amigas também au pairs conhecemos num bar que começou a tirar um sarro do trabalho de au pair num geral, tipo perguntar coisas como “posso contratar vocês pra morar em casa e lavar umas cuecas?” Mas fora isso nunca.

 

23- Como foi o processo de ser au pair na Austrália?

Fiz tudo por conta própria, parece difícil, mas na verdade foi super simples. Entrei em muitos grupos de au pairs e nannies no Facebook e mandei inbox pra muitas famílias que postavam lá, foi assim que fiz a minha entrevista via Skype com 3 famílias e fechei com uma delas.

 

24- Me conta tudo do processo da Austrália! Você foi por agência ou sozinha? Quanto gastou? Fica quanto tempo? Quanto tempo demorou seu processo até você ir de vez?

O processo para ir pra Austrália foi demorado, fui com um visto de estudante e fiz o processo através de uma agência no Brasil, gastei em torno de R$17.000 reais. O processo demorou, eu comecei a ir em agências, fazer pesquisas e pagar o curso mais de um ano antes de embarcar.

25- Quais as diferenças entre o programa de au pair dos EUA e da Austrália?

Acho que a única diferença é o fato de que os Estados Unidos é um programa reconhecido e regulamentado pelo governo, existe até um visto específico pra isso. Já na Austrália não é.

 

26- Você tem um canal no Youtube, né?

Sim! Lá eu faço vídeos sobre as curiosidades dos locais que eu visito/moro e também curiosidades de um modo geral. Inclusice fiz um vídeo sobre o tema au pair:https://www.youtube.com/watch?v=raCXrGr_mrU&t=9s

 

27- Qual foi o maior perrengue que você já enfrentou sendo au pair?

Passei perrengue por falta de responsabilidade minha, era muito nova na época e viajava sem grana, fiquei sem gasolina no meio da rua, essas coisas. Passei algumas raivas também com crianças mimadas.

 

28- Você curtiu a experiência e indicaria aos amigos? Por que?

Sim, curti muito e recomendo demais. É uma forma barata de fazer intercâmbio e você aprende muito sobre a cultura e os costumes do local pelo fato de morar com nativos. Fora que ajuda muito a melhorar o inglês porque a comunicação é direto e sempre em inglês.

 

29- De quantas crianças você tomou conta nos EUA e de quantas crianças você toma conta agora na Austrália?

Nos EUA eram 4 crianças, mas 2 delas eram já adolescentes e eu não precisava cuidar deles. Na Austrália cuido de 2 crianças.

 

30- Algum conselho pra quem tá pensando em ser au pair?

Pesquise muito sobre o programa, fale com outras au pairs, já faça amizade mesmo antes de chegar no lugar e o mais importante, faça muita pergunta para a família, sobre eles, sobre as crianças, personalidade, como os pais gostam de disciplinar os filhos, o que eles gostam de fazer nas horas vagas. Peça que eles te mandem por escrito como será sua rotina e as regras da casa, peça foto do quarto.

 

31- Se tiver mais alguma coisa que você queira dividir com a galera ou acrescentar coisas que as pessoas geralmente te perguntam…

Tem muita gente que pergunta sobre as crianças e eu aviso, elas são diferentes, tem uma educação diferente por isso podem se comportar de uma maneira diferente do que você está acostumada(o). Esteja preparado e seja flexível porque como diz a música que a minha sobrinha gosta do Palavra Cantada “criança não trabalha, criança dá trabalho”.

Bom gente! Espero que tenham curtido essa entrevista e que tenham se inspirado tanto quanto eu em seguir os seus sonhos, mesmo que eles pareçam distantes ou impossíveis de serem realizados.

 

Pra quem quiser saber mais sobre o programa de au pair tem muita informação no Google e eu separei alguns links que achei interessantes:

https://www.culturalcare.com.br/tornar-se-uma-au-pair/perguntas-frequentes

https://www.priscilasanches.com/faq-perguntas-frequentes

https://www.aupair.com/pt

https://www.aupairworld.com/en

https://www.culturalcare.com.br/seja-uma-au-pair/requisitos-qualificacoes

 

Beijos e até a próxima!

 

Nasci e cresci nos bairros periféricos de São Paulo, meus pais me ensinaram a ver o mundo com a mente aberta, então muito cedo desenvolvi uma paixão por viagens e culturas e sonhava em ver com meus próprios olhos o que tinha fora da selva de pedra onde eu vivia, aprendi inglês, me formei na faculdade e em seguida comecei a viajar o mundo. Sou bem urbana, gosto da noite, gosto de pessoas, de música e de uma boa cerveja. Tenho vários sonhos e muitos deles já foram realizados, mas hoje em dia só quero inspirar as pessoas.
Youtube: https://www.youtube.com/user/maritataproenca

Instagram: https://www.instagram.com/entrenamentedemari/

 

  • Mariangela Pas

    Muito legal Mary 🙂 Foi um prazer te conceder a entrevista. Bjs