Trilha da Pedra do Pontal

capa
Conhecendo a Ucrânia | Escrito por Nati Lukjanenko
17 de outubro de 2017
1 INHOTIM
Belo Horizonte e um bate e volta à Inhotim | Escrito por Carol Dellivenneri
1 de novembro de 2017
 
Oiii gente!

Esse post vai ser curtinho, mas vai ser super útil pra galera que curte desbravar as trilhas do Rio de Janeiro.

A trilha da Pedra do Pontal une duas paixões: trilha e praia! Lá de cima você tem um visual incrível das praias da Macumba e do Recreio e consegue ver outras coisas também como: a Pedra Bonita, a Floresta da Tijuca e a Ilha das Palmas, dentre outras formações rochosas e ilhas que tem por ali por perto! ⠀

E como nosso grande amigo Tim Maia gostava de cantar: "Do Leme ao Pontal, não há nada igual!" 🎶 ⠀

Você pode assistir o vídeo da trilha CLICANDO AQUI!

🚩 Nível de dificuldade: fácil/moderado ⠀

A trilha é bem marcada e tem umas partes de pedra que escorregam um pouco por causa da areia, tem também umas partes de terra e umas pedras que são meio chatinhas pra subir, mas nada demais!!!! Ahh! A parte mais chata é a parte da corda que pra quem tem medo de altura dá uma certa tensão, mas nada de bizarro não. No geral, eu diria que é fácil! Mas, óbvio que cada um tem seus limites e segundo o ponto de vista do Mark, que tem medo de altura, essa trilha tem um nível de dificuldade moderado, mas nada que o impedisse de subir!

🚩 Não precisa de guia pra fazer essa trilha.

🚩 Duração da trilha: 20/30 minutos ⠀

🚩 Tentar ir dia de semana pra pegar a trilha vazia. Nos feriados e finais de semana a trilha lota e acaba tendo fila pra subir e descer na parte da corda (o total da trilha em feriado chega a ser de 40 minutos a 1 hora). Se não tiver como ir dia de semana, tente chegar bem cedo pra pegar a trilha vazia nos finas de semana, porque a partir das 9:00 da manhã já tem bastante gente chegando na praia e consequentemente se aventurando pela trilha.⠀

🚩 Ir de tênis, usar roupas confortáveis e passar protetor solar.

Vimos muitas pessoas subindo de chinelo ou até descalço, mas não é o recomendado até porque em dias de sol quente a pedra esquenta muito e você pode queimar o pé. Outra coisa é que o chinelo pode arrebentar na hora da descida já que você acaba fazendo muita pressão no pé pra ir travando seu corpo e se seu chinelo arrebentar pode ser que você escorregue e caia de mau jeito.

O chinelo do Mark arrebentou na pior hora possível pra ele: A temida hora da corda. Tadinho! Ele tava todo concentrado em não olhar pra baixo e do nada o chinelo arrebenta e quando ele foi pegar o chinelo acabou olhando pra baixo e quase empacou no meio! Hahahahaha Mas, no final deu tudo certo!⠀

 
COMO CHEGAR NA PEDRA DO PONTAL
🚩 Saindo da Zona Sul

Você pode pegar os ônibus Integrada 8 e ir direto (1h50min tempo total do trajeto - R$ 3,60).

OU

Se o trânsito tiver pesado você pode pegar o metrô até a estação Jardim Oceânico na Barra e pegar um BRT até a estação Gilka Machado e de lá pegar um ônibus até o Pontal (1h20min tempo total do trajeto - R$ 10,60 valor do METRÔ + BRT + ÔNIBUS). Tem também a possibilidade de você pegar um Uber na estação Gilka Machado se você estiver em grupo, porque o Uber sai por R$8,00 e dividindo por 4 pessoas sai mais barato que pegar o ônibus (R$ 9,00 valor do METRÔ + BRT + Uber dividido por 4 pessoas).

** Só pra vocês saberem: Em Setembro de 2017 (quando fiz esse trajeto de metrô + BRT) o valor da baldeação custava R$ 7,00 (pegamos o metrô em Botafogo e depois o BRT no Jardim Oceânico e pagamos o totla de R$ 7,00).

OU

Se não quiser fazer tanta baldeação e quiser economizar tempo com o trânsito da Zona Sul você pode pegar o metrô até a estação Jardim Oceânico e descer na Barra e já pegar o Integrada 8 ou qualquer ônibus que vá pro Pontal.

*** O importante é você checar seu aplicativo de trânsito antes de sair de casa pra não ter surpresas pelo caminho!

🚩 Saindo da Zona Oeste e da Zona Norte

Acredito que a forma mais fácil seja ir de ônibus e BRT. A estação do BRT que você precisa saltar também será a Gilka Machado e de lá você pega um ônibus pro Pontal ou Uber se tiver com mais gente!

É difícil dar coordenadas pra quem sai da Zona Oeste e Zona Norte porque são zonas muito abrangentes a acaba tendo muitas opções. Então, sugiro consultar o Google Maps par ver qual é a melhor opção de trajeto saindo da onde você mora.

Eu fui pra Pedra do Pontal duas vezes. Uma vez saí da Freguesia (Jacarepaguá) e na outra vez saí de Botafogo. Quando saímos da freguesia optamos por pegar um Uber de casa até a Pedra do Pontal porque como estávamos em grupo acabou saindo mais barato do que pegar vários transportes públicos. Então, coloque no Google Maps o seu endereço e veja qual é a forma mais rápida e barata pra você.

 
SUBINDO E DESCENDO A TRILHA
Comece a trilha pela pedra (única pedra que tem pra começar a trilha) e siga subindo como seu não houvesse amanhã. Vão ter umas partes meio escorregadias, então tente ir segurando no que você vê pela frente, pode ser galho, pedra, pessoas aleatórias que estão subindo e que você nunca viu na vida (não tenha vergonha de pedir uma ajudinha ou, melhor, uma mãozinha amiga – eu mesma ia chamando as pessoas que tava na minha frente pra me ajudar hahahahaha).

Ahhhh! Muito importante quando você sentir medo, faça o trajeto sentado (tipo de cócoras, mas usando a bunda pra ir se mexendo aos poucos). Tô falando isso, porque tem algumas poucas partes que são bem inclinadas e você acaba ficando com medo de escorregar, aí a melhor opção é ir de bundinha mesmo!

Antes de chegar na parte da corda, você vai ter que se enfiar entre duas pedra e nessa parte tem gente que passa em pé e tem gente que passa sentado, você vai sentir na hora qual a melhor opção pra você!

Quando você chegar na parte da corda, coloque as duas cordas entre as suas pernas, segure as duas cordas com força (segure sempre as duas cordas juntas, nunca só uma porque pode romper), projete seu corpo pra trás e suba como se tivesse fazendo um rapel invertido. Nada de projetar o corpo pra frente, porque isso tira seu equilíbrio. Ahhh! E pra quem tem medo de altura: Não olhe pra trás ou pra baixo!

Chegando lá em cima, curta o visual e explore todo o topo. Tem gente que fica tirando foto no mirante principal (que tem a areia que divide as duas praias) e acaba esquecendo de explorar os lados do topo que tem outros visuais incríveis!

Na hora de descer, faça o mesmo esquema com as cordas: coloque elas entre as suas pernas, segure firme e projete o corpo pra trás. Desça com cuidado e passos não tão largos.

Depois que passar a parte da corda desça o resto da trilha com muita atenção porque tem umas partes de terra que escorregam muito. Vai ter uma parte ou outra que você vai achar muito inclinada e aí usa o macete da bundinha, desce sentado pra evitar escorregar.

VOCÊ NÃO PODE DEIXAR DE LEVAR
- Protetor solar;

- Água;

- Sacola plástica pra recolher seu lixo;

- Não vi muito a necessidade de repelente, mas pra quem é alérgico à picada de mosquito é sempre bom passar, né?

- Câmeras e celulares

DICA: Muito importante você ter suas mãos livres durante a trilha caso precise segurar em alguma coisa ou se apoiar. Então, se puder levar uma mochilinha com tudo que você vai precisar é melhor do que carregar tudo na mão tipo garrafinha ou máquina, que vai ter horas que você vai precisar usar as duas mãos (como na parte da corda).

 
MINHA EXPERIÊNCIA NA PEDRA DO PONTAL
Eu amei de verdade essa trilha! Por vários motivos, mas acho que o principal é que não é uma trilha pesada e cansativa, tem um puta visual lá de cima e quando você desce você pode se jogar naquele marzão lindo!

Tirando essas partes que escorregam um pouco e a parte da corda (que eu achei super de boa, mas o Mark quase surtou hahahahahahaha), a trilha no geral é bem tranquila! Só é preciso ter muita atenção e fazer as coisas com calma e curtindo o momento. Tem uma galera que faz a trilha praticamente correndo pra chegar logo no topo e acaba não curtindo o visual foda que tem durante todo percurso. Sério! Pra onde você olha você vê uma paisagem incrível.

Dizem que o pôr do sol da Pedra do Pontal também é incrível, então se você tiver oportunidade faça isso também! CUIDADO! Não recomendo que façam essa trilha à noite no escuro porque podem ter lugares escorregadios que você não vai ver por conta da escuridão e pode acabar se machucando. Então, se for fazer a trilha no pôr do sol, faça, mas desça assim que o sol se pôr pra não descer no escuro!

Ahhhhh! Pra quem curte uma parada mais romântica e tranquila, também vale fazer um piquenique com os amigos ou em casal ali bem no início da trilha (literalmente subir a pedra de início e andar 3 minutos) que é alto o suficiente pra você ter um puta visual e curtir um piquenique de fim de tarde inesquecível!

Espero que vocês tenham curtido essas dicas! Se curtiram, por favor, recomende o blog pros seus amigos.

Beijos e até a próxima!


Essa aí do meu ladinho é a Ze do @emcantosfotograficos e ela é mestra em explorar a região do Recreio dos Bandeirantes e faz vários post super bacanas no Instagram e no blog sobre esse cantinho lindo do Rio.

Dá um confere nesse post que ela escreveu. Só clicar no link!
http://www.emcantosfotograficos.com.br/4-viewpoints-no-recreio-dos-bandeirantes/
 



Maryana Teles
Maryana Teles
Carioca, publicitária e apaixonada (digamos que, talvez, viciada) por viagens de estilo low cost. 25 países na bagagem e muitas histórias, micos, dicas e inspirações pra quem também vive (ou quer viver) uma VIDA MOCHILEIRA!