Conhecendo a Ucrânia | Escrito por Nati Lukjanenko

CAPA
Brasileiro viaja o mundo dando aula de mergulho
16 de outubro de 2017
capa
Trilha da Pedra do Pontal
23 de outubro de 2017
 
Oi Pessoal! Meu nome é Nati Lukjanenko, do Manas no Mapa, e vim aqui hoje contar um pouco sobre a minha experiência num país bem diferente!

Quem ai já visitou a Ucrânia? Muita gente tem certo preconceito quando se fala em Leste Europeu, afinal a gente recebe pouquíssima informação sobre os países de lá. No início desse ano (2017) fiz um mochilão de 3 meses pela Escandinávia e Leste Europeu. Tendo viajado sozinha posso garantir por experiência própria: É SEGURO!

Resolvi fazer esse post detalhado sobre a Ucrânia, dentre todos que visitei, pois é um pais que tenho uma conexão emocional. Além do mais, acredito que precisamos explorar mais o turismo lá, pois é muito barato e tudo é muito lindo! Trago aqui informações sobre duas cidades que visitei e amei: KIEV e LVIV.

 
KIEV
Kiev é a capital e tem cerca de 3 milhões de habitantes. Ela fica na região mais central do país e é cortada pelo rio mais famoso da Ucrânia, o Dnipró. Além de ter muita coisa bonita pra ver, a cidade e o país como um todo têm muita história. Em 2014, por exemplo, houve uma grande revolução do povo contra o então governo. Houveram inúmeros protestos e manifestações exigindo uma maior integração a União Europeia. Para não me alongar demais, a revolução conseguiu fazer com que o então presidente (pró-russia) renunciasse o cargo. Porém, em decorrência a isso, a Russia passou a não reconhecer o novo governo interino, alegando ser golpe de estado e invadiu a Crimeia dando inicio a uma guerra que está acontecendo ainda hoje na Crimeia e nas regiões de fronteira com a Russia.

A treta da Ucrânia com a Russia é antiquíssima e se você tiver curiosidade de saber mais, pode me procurar!

Resumindo, esse background histórico é importante para entendermos alguns costumes e culturas que vemos ao visitar o país. Por exemplo, eles se tornaram muito mais nacionalistas e patriotas, então você vai ver a bandeira da Ucrânia em TODO LUGAR: casas, restaurantes, pintada na calçada, grandes de pontes nas cores azul e amarelo…

Outra lição importante que a gente tira disso é que na Ucrânia tudo que é Russo não é muito bem vindo. PRINCIPALMENTE em relação a União Soviética. Lá você vai encontrar diversos ítens relacionados a união soviética em brechós e feiras de rua, mas comprar e sair usando PEGA MUITO MAL! Outra dica importante: na Ucrânia se fala Ucraniano! Então nada de “Spasiba”!

Agora vamos a parte boa!

O QUE FAZER EM KIEV?
Entre em cada Igreja que você encontrar. Juro! E essa dica está vindo de uma atéia, então não pode ser furada! As Igrejas ortodoxas são obras de arte! Por fora elas são até meio sem graça, mas por dentro… Repletas de pinturas, mosaicos, cores e imagens. Fique atento pois algumas Igrejas não permitem a visitação sem saia ou lenço!

Abaixo algumas dicas de Igreja que você não pode deixar de visitar (com os nomes em Inglês para ficar mais fácil colocar no Google):

- St. Andrew’s Church. Em reforma até 2018 se não me engano, mas só olhar por fora já é uma visão para os olhos. Ela fica no topo de uma colina e tem uma cor única.

- St. Michael golden dome monastery. A Igreja em si não é grande coisa comparando com as outras, mas o complexo do monastério como um todo é bem interessante.

- St. Sophia Cathedral. Essa é património histórico da UNESCO. Então só imagina quão linda ela não é!

- Pechersk Lavra. Um monastério cheio de Igrejas e capelas. Há também as catacumbas subterrâneas. Mas sendo claustrofóbica, fiquei apenas 10 minutos debaixo da terra.

Além das Igrejas, segue aqui algumas outras dicas do que você precisa ver pela cidade:

- Golden Gate. Uma réplica do portal da cidade no século 11. Antigamente ela era cercada por uma muralha. É bem diferente de qualquer outro portal que você já tenha visto, isso eu garanto.

- Andriyivsky Descent. Uma ladeira na parte histórica da cidade, cheia de cafés, teatros e alguns restaurantes. Muitos comerciantes ficam ali vendendo seus artesanatos, bordados e souveniers.

- The Motherland Monument. Uma estátua de 62 metros, maior que a estátua da liberdade!

- Praça Maidan. Uma praça bonita e moderna, além de ter sido palco da revolução de 2014.

 
Além dos pontos turísticos da cidade, é possível fazer um bate-volta para Chernobyl, a zona reclusa depois do acidente nuclear de 1989. É seguro visitar, desde que se cumpra com todas as normas de segurança. Uma das empresas que realiza esse tour, é a Solo East Travel. O preço é um pouco alto, mas vale muito a pena (cerca de 80 euros por pessoa). A visita leva o dia todo e ainda inclui uma refeição. Ao fim do passeio todos passam por um detector de radiação e se algum item seu estiver com os níveis acima do normal, eles confiscam para que seja neutralizado e depois devolvido.

A radiação total na duração do passeio é menor do que em um avião em um vôo de duas horas. Claro que existem áreas mais contaminadas que outras, mas é justamente por isso que é preciso fazer o passeio com um guia credenciado.

Lá você vai ver os vestígios do que um dia já foi uma cidade, com escola, casas, hotel (tudo nos moldes soviéticos); a base de controle de mísseis, e também vai chegar bem próximo ao reator (que hoje está bem protegido em um sarcófago).

O mais interessante desse passeio, é que você pode ver exatamente como eram as coisas na época da união soviética, já que foram abandonadas do jeito que estavam. É um passeio triste, porém de muito aprendizado.

 
LVIV
Mais a oeste do país, fica Lviv. Uma cidadezinha quase na fronteira com a Polônia e com cerca de 700 mil habitantes. É uma cidade histórica e universitária. Seu centro antigo é todo colorido aconchegante. Ruas de paralelepípedo, onde não passam carros, e artistas de rua para todos os lados. O centro histórico também é património histórico da UNESCO. Lviv é uma mistura de Campos de Jordão com Parati (se é que isso é possível).

Vamos para as dicas do que fazer por lá:

- Boim Chapel. Diferente de Kiev, Lviv não possui tantas igrejas incríveis ortodoxas. Mas a Boim Chapel é um mini monumento religioso construído em 1615. Para entrar precisa parar 12 hryvnias, ou seja, nada. Já que 1 euro equivale a 30 hryvnias.

- Praça do Mercado. Onde estão os prédios mais coloridos. Um amor de lugar

- The high Castle Park. O melhor lugar para ter uma vista panorâmica da cidade. Apesar do nome, hoje em dia já não há nenhum castelo. Não precisa pagar, ms vá de tenis e preparado para andar.

- Lviv handmade chocolate. Uma fábrica de chocolate. Um paraíso de 5 andares para os chocólatras. O melhor chocolate quente que já tomei na vida!

- Ópera de Lviv. Considera a terceira mais bela ópera da europa. É possível visitar interior pagando um valor bem simbólico.

- Restaurante Kriyvka. Um restaurante temático que simula um Bunker. Você precisa entrar no clima da brincadeira. Logo na entrada um "soldado" irá te receber. Você precisa bater na porta e dizer "Slava Ukraina" para poder entrar (Glória a Ucrânia). Ao abrir a porta ele irá te perguntar se você é Russo(a) ou comunista. Após negar ambas ele vai te permitir a entrada. Lá dentro, músicos tocam ao vivo e passam o chapéu.

A Ucrânia me ensinou muito sobre o mundo, sobre si mesmo, e sobre mim. Foi uma das experiências mais especiais que já tive e queria muito que os outros pudessem vivenciar tudo que vivi por lá. Me senti acolhida, querida e bem-vida.

Se você curtiu essas dicas, compartilha com seus amigos!

 



Nathália Lukjanenko, 24 anos. Produtora e cineasta.

Curte viajar sozinha e vagar sem rumo pelas cidades. Além de conhecer fatos históricos e histórias de pessoas que por ali viveram.
Recentemente realizou um mochilão de 3 meses em 7 países da Europa e Leste Europeu para filmar um documentário independente.

BLOG: https://www.manasnomapa.com/
INSTAGRAM: @manasnomapa
FACEBOOK: /manas.nomapa

Maryana Teles
Maryana Teles
Carioca, publicitária e apaixonada (digamos que, talvez, viciada) por viagens de estilo low cost. 25 países na bagagem e muitas histórias, micos, dicas e inspirações pra quem também vive (ou quer viver) uma VIDA MOCHILEIRA!